NOTÍCIAS


Associados
 

2016-05-30

Chineses da TAP pedem autorização para primeiro voo directo entre Portugal e China


 A Capital Airlines, detida pelo HNA, quer lançar uma nova rota entre Hangzhou e Lisboa, via Pequim. O pedido já foi enviado à Autoridade de Aviação Civil da China.

A Capital Airlines, transportadora chinesa detida pelo Grupo Hainan Airlines (HNA) – accionista do consórcio Gateway Atlantic – quer expandir as suas operações na Europa e já pediu autorização à Autoridade de Aviação Civil da China para lançar o primeiro voo directo entre aquele país e Portugal.

A notícia é avançada esta segunda-feira, 30 de Maio, pelo Travel Daily, com base nas informações publicadas pela Autoridade de Aviação Civil no seu site, que confirmam a recepção da proposta.

A transportadora Capital Airlines quer voar de Hangzhou, na província chinesa de Zhejiang, para Lisboa, via Pequim, duas vezes por semana.

Se for aprovada, a nova rota será lançada em Dezembro deste ano, tornando-se na primeira ligação directa entre a China e Portugal. O voo será feito por um Airbus A330, com 33 lugares na classe executiva e 178 na económica.

A transportadora com sede em Pequim já opera voos regulares para Copenhaga e Madrid, e planeia também uma nova rota para a segunda maior cidade do Reino Unido, Birmingham.

Em meados deste mês, o Governo português assinou com o consórcio Gateway Atlantic os novos termos da entrada dos privados no capital da TAP, que devolve 50% da companhia às mãos do Estado.

"O Estado e a Atlantic Gateway celebraram o Acordo de Compra e Venda de Ações e o Acordo Parassocial e de Compromissos Estratégicos previstos no Memorando de Entendimento para a reconfiguração dos termos e condições da participação do Estado português na TAP", confirmou o Executivo em comunicado.

Formalizada ficou ainda a entrada dos chineses da HNA, que poderão ficar com menos de 10% do capital de forma directa, disse Humberto Pedrosa ao Expresso. Contudo, somada a participação que deverá deter na Azul (cujo dono é David Neeleman), a presença indirecta dos chineses na TAP "pode atingir os 20%", explicou o gestor português.


Fonte:
Jornal de Negócios 30-05-2016