NOTÍCIAS


Associados
 

2017-03-16

Tamanho da pista da base do Montijo é insuficiente para descolagem de aviões grandes


 O tamanho da pista do Aeroporto do Montijo, alternativa ao de Lisboa, é insuficiente para a descolagem de alguns aviões de grande porte, foi nesta quinta-feira revelado numa reunião do Conselho Metropolitano de Lisboa.

Demétrio Alves destacou que a ANA lhe transmitiu esta preocupação acerca do tamanho da pista 01/19 do Montijo, que será usada como alternativa ao aeroporto Humberto Delgado, e que tem 2.147 metros de comprimento, o que “é insuficiente" para a descolagem "de alguns aviões de grande porte”.

“Para aterrar, quase todos os aviões aterram aqui. O problema é descolar. Não dá nem para o Boeing 737, nem para o Airbus 320, nem para o Airbus 322”, disse, salientando que foi “referido como altamente provável a [necessidade de] extensão da pista do Montijo”.

“A pista tinha de ser aumentada em 350 metros”, disse, salientando que a pista começa e termina muito perto do estuário, pelo que, a ser aumentada, entraria pelo estuário.

O presidente do Conselho e presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, mostrou preocupação pela segurança do aeroporto nestas condições.

“Estarmos aqui a ver que há uma pista em que há aviões que aterram mas não descolam, é capaz de ser um problema complicado. (…) Estarmos a gastar 200 e tal milhões de euros e depois o Boeing não aterra, o Airbus também não, é uma coisa insólita. Mas estou convencido que isso se resolve”, disse.

Já o presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, destacou que os pilotos que utilizam a base aérea do Montijo referem que o tamanho da pista não será um problema, mas admitiu que a opinião dos pilotos não é unânime.

O autarca do Montijo salientou que não está preocupado com este assunto, até porque “a pista tem sido usada ao longo dos tempos para a aterragem e descolagem de aviões muito pesados, nomeadamente militares”, tendo até dado apoio à guerra do Iraque.

“A base foi sempre conquistada ao rio, com aterros sucessivos. E é possível fazer um aterro sem muito impacto ambiental, não apenas de 300 metros, mas de cerca de meio quilómetro, se for necessário”, adiantou, salientando que, caso seja ponderado o aumento da pista, ele deverá ocorrer “na direcção do Barreiro”.

Em meados de Fevereiro, o presidente da Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea (APPLA) disse à Lusa que a base aérea do Montijo não poderá ser alternativa ao aeroporto de Lisboa nos voos de longo curso caso avance a desativação de uma das duas pistas do Aeroporto Humberto Delgado, devido a fenómenos atmosféricos moderados a severos que ocorrem durante três a quatro meses por ano, nomeadamente ventos cruzados.

“O Governo já está absolutamente ciente de que a pista 01/19 do Montijo, fechando a 17/35 [do aeroporto de Lisboa], não é uma alternativa para voos de longo curso, pois é muito pequena, não tem ajudas rádio que permitam aterragens por instrumentos e o pavimento, eventualmente, não tem resistência para suportar aviões de grande porte”, afirmou à agência Lusa Miguel Silveira.

De acordo com Demétrio Alves, a ANA considera “crítica” a situação no Aeroporto de Lisboa devido ao aumento extraordinário de passageiros e tem um plano de contingência a pensar em agosto.

Segundo dados da ANA, desde o início do ano passaram pelo aeroporto mais 660 mil passageiros em comparação com o mesmo período do ano passado, que já tinha registado um aumento em relação ao ano anterior, acrescentou.

“Em 2017 é muito provável que [no Aeroporto de Lisboa] se ultrapassem os 22 milhões de passageiros (...). Não é só na Portela, é também no Porto e em Faro. Portugal está a ser um destino turístico muito procurado”, salientou.


Fonte:
LUSA / Público