NOTÍCIAS


Associados
 

2018-04-09

Cabo Verde Airlines renova certificado de segurança operacional e de voo


A Cabo Verde Airlines, companhia aérea cabo-verdiana, renovou o certificado de Auditoria de Segurança Operacional da IATA (IOSA), da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA).

Cumprindo as normas de aviação internacional, a Cabo Verde Airlines renovou a certificação de Auditoria de Segurança Operacional (IOSA) da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) para o ano 2019. Esta certificação da companhia aérea assegura o alto padrão de segurança operacional e de reconhecimento internacional.

O IOSA é um certificado internacionalmente reconhecido e aceite como sistema de avaliação para gestão operacional e controlo de uma companhia aérea.

Actualmente, a Cabo Verde Airlines é detentora dos principais certificados da aviação internacional subscritos pela FAA – Administração Federal de Aviação e EASA – Agência Europeia para a Segurança da Aviação.

Fase de expansão internacional

«Este certificado IOSA é mais um marco para a nossa companhia aérea que continua a manter os padrões internacionais de aviação. Esta certificação é o sucesso do nosso trabalho, da nossa equipa operacional e dos nossos pilotos que fazem tudo para levar a Cabo Verde Airlines ao mais alto nível», afirma Mário Chaves, CEO da Cabo Verde Airlines.

Note-se que a Cabo Verde Airlines está numa fase de expansão internacional desde Agosto de 2017, sob um contrato de gestão com a Loftleidir/Icelandic, transferindo as operações da ilha da Praia para a ilha do SAL, num modelo de negócio Hub & Spoke, em funcionamento desde 1 de Fevereiro de 2018.

A companhia voa actualmente para sete destinos, nomeadamente, Brasil (Recife e Fortaleza), Estados Unidos da América (Boston), Portugal (Lisboa), França (Paris) e Itália (Milão), colocando o arquipélago de Cabo Verde no centro como ligação entre os quatro continentes – América do Norte, América do Sul, África e Europa, alargando assim o mercado de actuação da companhia aérea.


Fonte:
revistacargo.pt