NOTÍCIAS


Associados
 

2015-12-07

Bruxelas vai permitir que estrangeiros controlem companhias aéreas europeias


A Comissão Europeia prepara-se para aligeirar as exigências relativos ao investimento estrangeiro em companhias aéreas. Segundo o Financial Times, esse processo será realizado através de acordos individuais com os países.

 
Até ao momento, o limite de propriedade não europeu de transportadoras comunitárias é de 49%. A condição levou, no caso da privatização da TAP, à formação do consórcio Atlantic Gateway. O mesmo é formado por Humberto Pedrosa da Barraqueiro e David Neeleman (na foto) da brasileira Azul.
 
Os capitais portugueses estão em maioria, embora se tenha questionado ao longo do processo quem controlaria de facto o consórcio em termos de influência. Bruxelas não viu barreiras e acabou por dar luz verde à operação de compra de 61% do capital da companhia, assinada a 12 de Novembro passado.
 
Todavia, alerta o Financial Times, as novas condições de investimento só serão possíveis para Estados que concordem obedecer a regras mais rigorosas ao nível de subsídios estatais disponibilizados ao sector.
 
A mudança surge numa altura em que a União Europeia tenta impulsionar a competitividade da indústria aeronáutica comunitária. Embora sem concretizar este ponto, uma das metas de Bruxelas passará por fazer face à crescente afirmação de companhias aéreas do Golfo e ao surgimento de "hubs" [plataformas giratórias] na Ásia.
 
O debate sobre este tema tem estado em destaque ao longo do último ano, com três companhias aéreas norte-americanas – American Airlines, United Airlines e Delta – a pedirem a Washington que avaliasse o acesso das transportadoras do Golfo ao seu mercado.
 
Na Europa, Lufthansa e Air France-KLM também alertaram para a sua preocupação com uma concorrência em condições desiguais face às rivais do Golfo.
 

Fonte:
Jornal de Negócios 07-12-2015